Quando a segunda união pede um bebê.

Reversão da Fertilidade

Você sabia que o Brasil é campeão de realização de laqueaduras das trompas?
Se pacientes de segunda união já com filhos e laqueadas querem reconstituir uma nova família, a reprodução assistida costuma ser uma especialidade amplamente utilizada para conseguir a realização desse desejo.

Recebemos muitas consultas de pacientes que vivem uma segunda união e mudam seu desejo de fertilidade. Por isso, o dr. Artur Dzik reuniu algumas questões frequentes e importantes relacionadas a esse tema.

Confira as principais questões:

1. Sou laqueada, mas mudei de planos e quero engravidar. Isso é possível?

Sim. O importante é buscar ajuda especializada para avaliar de forma objetiva qual o melhor protocolo a ser adotado.

2. Quais são os fatores facilitadores para a mulher laqueada realizar o sonho de se tornar mãe?

Pacientes com até 35 anos e sem presença de fator de infertilidade masculina.

3. Se a paciente tiver mais de 35 anos e for laqueada, é possível obter sucesso no tratamento de reprodução assistida?

Sim. E, mesmo se o casal apresentar um bom prognóstico, partimos para a Fertilização In Vitro (FIV).

4. Quais as alternativas de tratamento de reprodução assistida em pacientes que possuem laqueadura de trompas?

Segundo o dr. Artur Dzik, existem duas alternativas:

• Reversão cirúrgica
Que depende de como foi realizada a laqueadura e em pacientes com menos de 35 anos
• Reprodução assistida –  FIV
Em pacientes com mais de 40 anos e na presença de algum fator de infertilidade masculina.

5. Quais as alternativas de tratamento de reprodução assistida em pacientes que possuem laqueadura de trompas?

Segundo o dr. Artur Dzik, existem duas alternativas:

• Reversão cirúrgica
Que depende de como foi realizada a laqueadura e em pacientes com menos de 35 anos
• Reprodução assistida –  FIV
Em pacientes com mais de 40 anos e na presença de algum fator de infertilidade masculina.

6. Quais são as orientações aos homens que pensam em realizar a vasectomia?

No Brasil, somos quase recordistas mundiais em vasectomia. Seguindo essa tendência, uma orientação importante é que aqueles que decidirem pela técnica façam uma reserva de seu sêmen antes do procedimento. Isso facilita bastante em eventual mudança de ideia no futuro.

7. Homens vasectomizados podem reverter a fertilidade?

Sim! Inclusive temos muitos casais reconstruindo histórias que procuram nossa especialidade para realizar o sonho de um novo bebê.

8. Homens que pensam em vasectomia devem separar amostra seminal?

O fato de separar uma amostra seminal só facilita o processo caso venha a vontade de ter um bebê futuramente.

9. A FIV pode reverter a fertilidade?

Embora a FIV tenha sido desenvolvida para tratar casais cuja principal causa de infertilidade é uma lesão tubária, foi constatado que a técnica é útil também nos casos de endometriose, de distúrbios do esperma (espermatozoides em número baixo ou com má formação) e mesmo de infertilidade não explicada.

Seis diagnósticos tratados com sucesso pela FIV

• Alterações nas trompas que não podem ser corrigidas cirurgicamente

• Esterilidade sem causa aparente (ESCA) e sem sucesso com IIU

• Infertilidade por fator masculino

• Endometriose – não responsiva a intervenção clínica ou cirúrgica, não responsiva a inseminação artificial

• Problemas imunológicos – não responsivos a inseminação artificial

• Esterilização voluntária prévia – ligadura das trompas

Fonte: Dr. Artur Dzik

Especialista em FIV

Dr. Artur Dzik – Especialista em FIV

  • Presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana – SBRH – 2010 / 2012
  • Representante Brasileiro da IFFS (International Federation of Fertility Societies) – SCIENTIFIC COMMITTEE 2010 / 2013
  • Diretor do Serviço de Esterilidade Conjugal do Hospital Pérola Byngton São Paulo
  • Especialização em Reprodução Humana no Hôpital Antoine Béclère, Paris – França – 1993 / 1994
  • Médico especialista em Ginecologia e Obstetrícia pelo Hospital das Clínicas da FMUSP
  • Mestre em Ginecologia pela FMUSP – 1995
  • Doutor em Ginecologia pela FMUSP – 2000
  • Título de especialista pela FEBRASGO – 1991
  • Idiomas: Inglês e Francês

Doutorado – Especialista em FIV

  • Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – 2000.
  • Tema: Estudo da variação da Inibina B como fator prognóstico da intensidade da resposta ovariana à hiperestimulação controlada nos programas de fertilização in vitro (FIV).

Mestrado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – 1996.

  • Tema: Avaliação Simultânea dos parâmetros FSH basal e idade como fator prognóstico da intensidade de resposta à hiperestimulação ovariana controlada num programa de Fertilização In Vitro e Transferência de Embriões.

Endereço

Rua Capote Valente, 432 • Conj. 101

CEP 05409-000 – Pinheiros – São Paulo – SP

Open chat
Olá, como podemos ajudar?
Powered by