Até que idade a mulher pode engravidar

Idade e fertilidade estão inversamente relacionadas, e o envelhecimento do sistema reprodutivo desempenha um papel-chave na infertilidade.

Tem-se constatado que o declínio mais rápido do potencial de fertilidade em um determinado momento ocorre aos 35 anos de idade, um achado confirmado pelo American National Bureau of Health Statistics, em estudos realizados entre 1965 e 1988.

Cada estudo usou um limiar de 12 meses para definição de infertilidade, e todos mostraram que com a idade de 35 anos mais de um terço das mulheres não seria capaz de conceber dentro de um ano. Os 35 anos de uma mulher servem, portanto, como horizonte além do qual a função reprodutiva é irreversivelmente diminuída.

Nos 10 a 15 anos que antecedem a menopausa há uma aceleração gradual da perda folicular que se correlaciona com um aumento nos níveis do hormônio folículo-estimulante (follicle stimulating hormone, FSH).

Em conjunto, essas alterações refletem a qualidade e capacidade reduzidas de folículos que estão envelhecendo, os folículos mais sensíveis já tendo respondido.

Aproximadamente no mesmo momento em que essas modificações estão acontecendo, uma alteração importante no ciclo menstrual também está ocorrendo.

Se, por um lado, o ciclo menstrual pode permanecer regular nos anos que antecedem a menopausa, uma redução da duração do ciclo acontece devido à fase folicular encurtada.

Tem-se observado que um encurtamento gradual da duração do ciclo de em média de 3 a 4 dias, comparado com a duração do ciclo que esta mesma mulher apresentava ao final de seus vinte anos, e início dos trinta, sendo este um fator preditivo útil do declínio no potencial de fertilidade.

Impacto da idade sobre a qualidade dos óvulos

O declínio da fertilidade também parece ser conseqüência direta do declínio relacionado à idade do número de óvulos saudáveis nos ovários de uma mulher.

Uma mulher nasce com todos os óvulos que ela irá ter – cerca de 400.000. A cada mês, durante seus anos reprodutivos, usualmente apenas um único óvulo amadurece. A quantidade de óvulos começa a diminuir na infância e continua durante a idade adulta.

A ovulação contribui para a diminuição, mas em sua maioria os óvulos são lentamente absorvidos pelo corpo. Em torno da quinta ou sexta décadas de vida, a maior parte das mulheres terá seu suprimento de óvulos debilitado em relação a quando nasceu.

A insuficiência ovariana ocorre quando os folículos e óvulos de uma mulher são debilitados e quando cessa a produção dos hormônios estrógeno e progesterona

Outros fatores relacionados à idade

Outros fatores também podem afetar o funcionamento reprodutivo em mulheres mais velhas. Esses fatores incluem:

• Frequência de relações sexuais, que pode declinar com o avançar da idade e a duração do relacionamento de um casal;

• Ovulação irregular, que ocorre à medida que os níveis hormonais de uma mulher mudam com a idade;

• Deficiências da fase lútea, que ocorrem quando muito pouca progesterona é produzida para manter um recobrimento uterino suficiente para que um óvulo fertilizado se implante nele.

De um modo geral, a idade (em sua associação com o sistema reprodutivo feminino) está ligada a vários perigos fisiológicos:

• Aborto espontâneo: cujo risco aumenta em mulheres acima dos 40 anos de idade.

• Exposição a doenças que podem afetar o sistema reprodutivo: incluindo endometriose e doenças sexualmente transmissíveis, tais como doença inflamatória pélvica.

• Gravidez ectópica: mulheres entre as idades de 15 e 19 anos, assim como mulheres com 40 anos ou mais, têm a incidência mais elevada de mortes relacionadas à gravidez ectópica.

• Mortalidade: embora não seja alto, o risco de morte associado com gravidez e parto aumentam com a idade.

Ciclo Menstrual

A principal característica dos anos reprodutivos da mulher é o ciclo menstrual. Esse processo, no qual um óvulo amadurece e é liberado a cada mês pronto para fertilização, é controlado por um sistema elaborado, envolvendo os hormônios gonadotróficos.

Portanto, o ciclo menstrual mensal das mulheres ocorre em três fases:

• Fase folicular: Dias 1 a 13.

• Fase ovulatória: Em torno do dia 14.

• Fase lútea: Dias 15 a 28.

O ciclo é controlado pelos seguintes hormônios:

• Hormônio folículo-estimulante (Follicle stimulating hormone, FSH)

• Hormônio luteinizante (Luteinizing hormone, LH)

• Estrógeno

• Progesterona

Fertilidade um projeto de vida

Assim, o dia um do ciclo menstrual é marcado pelo primeiro dia de sangramento menstrual. A primeira fase do ciclo é chamada fase folicular e tem a duração de aproximadamente 14 dias. A segunda fase, após a ovulação ter ocorrido, é chamada fase lútea.

O número de óvulos que uma mulher pode  produzir no seu tempo de vida é determinado antes do nascimento. Durante sua vida embrionária, milhões de células germinativas especiais são produzidas nos ovários. Muitas delas degeneram e o resto está pronto para desenvolver-se, tornando-se óvulos maduros com o passar do tempo.

Três meses antes da ovulação, até 300 óvulos foram recrutados para crescimento e desenvolvimento. Cada um dos óvulos fica em um saco cheio de fluido ou ‘folículo’, que o cerca e nutre-o durante o desenvolvimento. Cerca de duas semanas antes da ovulação, a secreção de FSH aumenta, estimulando o crescimento e o desenvolvimento dos folículos. Os folículos em crescimento secretam quantidades crescentes do hormônio estrógeno, que faz o tecido que recobre o útero (ou endométrio) espessar-se e promove alterações no muco cervical, que possibilitam uma penetração ótima dos espermatozóides.

Sob a influência do FSH, um folículo ‘dominante’ cresce e amadurece mais rápido do que os outros, que então degeneram. Cerca de 32 h antes da ovulação, a secreção de estrógeno atinge o seu pico, desencadeando um pico de produção de LH. Isso desencadeia a liberação do óvulo maduro a partir do folículo dominante. Os remanescentes do folículo são subseqüentemente transformados em corpo lúteo, que secreta progesterona para preparar o endométrio para implantação. Devido à progesterona, a temperatura corporal eleva-se.

Fertilidade um projeto de vida – Quando o óvulo não é fertilizado.

Se o óvulo não é fertilizado por um espermatozóide dentro de 72 h de sua liberação do folículo, o corpo lúteo irá, no final do processo, degenerar e a menstruação ocorrerá. No entanto, se a fertilização acontece e o embrião resultante continua o seu desenvolvimento, o hCG é produzido. Isso faz com que o corpo lúteo secrete os dois hormônios, estrógeno e progesterona, para assegurar condições favoráveis para a implantação do ovo fertilizado. De fato, a presença de hCG no soro ou na urina é o primeiro indicador de gravidez inicial.

Assista aqui o Dr. Artur Dzik falando sobre infertilidade conjugal.

Endereço

Rua Capote Valente, 432 • Conj. 101

CEP 05409-000 – Pinheiros – São Paulo – SP

Telefone

+55 11 2367.0999